AROMATERAPIA PARA CÃES E GATOS | Clube do cabelo e cia



A aromaterapia vem ganhando cada vez mais reconhecimento, como uma alternativa de tratamento segura e eficaz. No entanto, muitas pessoas ainda estão equivocadas sobre a sua utilização, equiparando a aromaterapia com velas perfumadas, ou com produtos de beleza com óleos sintéticos.
Para saber mais detalhes sobre aromaterapia, veja aqui.

A Aromaterapia se refere ao uso de um óleo essencial , ou vários óleos combinados (sinergias), para um determinado propósito de cura, para tratar um problema de saúde particular, ou para melhorar a saúde geral e bem-estar, tanto do animal como do ser humano.




Os óleos essenciais e os hidrolatos, têm propriedades medicinais e, se utilizados adequadamente, podem ser eficazes no tratamento de uma série de problemas de saúde do seu bichano, como irritações da pele, artrite, prurido cutâneo, alergias, problemas digestivos, problemas urinários, inflamação, colite,  infecções de ouvidos, hiperatividade, infestações de pulgas / carrapatos, e muito mais.

É importante começar a utilizar os óleos essenciais em animais, de uma maneira positiva. Não utilize os óleos essenciais, quando eles estiverem com medo de algo, como ruídos altos, tempestades, ou com dor.

Embora os óleos essenciais sejam naturais, devem ser usados ​​com respeito e conhecimento, e a permissão de seus animais de estimação. É importante diluir os óleos essenciais antes de oferecê-los aos cães e sempre permitir que seu cão cheire antes de sua aplicação.


O sentido olfativo de um cão é pelo menos 50 a 100 vezes mais eficiente do que o nosso.
Imagine como deve ser angustiante ser coberto com uma fragrância que você odeia? Então multiplique isso por 100, e você vai entender por que a escolha do óleo pelo animal é tão importante.

Assim, é sempre melhor deixar o animal cheirar o óleo antes de aplicar; e em seguida, procure perceber sinais de aceitação como querer lamber o óleo, se esfregar em você, ou abanar o rabo.


Sinais que o animal não gosta do óleo: virar a cabeça, ficar ofegante, babar, andar com agitação, gemer, espirrar ou bufar.
Nunca coloque os óleos essenciais no focinho do animal. Isso tira a sua liberdade de escolha e é uma terapia invasiva.

O que são óleos essenciais e hidrolatos?
Ao contrário do que muitos pensam, os óleos essenciais não são oleosos. Eles são altamente concentrados e devem ser quase sempre diluído antes da utilização.
Cada óleo tem suas próprias propriedades individuais, como cheiro, cor, propriedades químicas e efeitos de cura.
Em termos físicos, muitos óleos essenciais são antibacterianos, antivirais, antifúngicos, anti-inflamatórios, e desintoxicantes.
A nível emocional, alguns óleos essenciais podem ser sedativos ou estimulantes.

Falei mais detalhadamente sobre óleos essenciais aqui.

O Hidrossol (ou Hidrolato) é uma substância à base de água, que é um subproduto obtido durante o processo de destilação a vapor de um óleo essencial. Um hidrossol contém partes solúveis em água de uma planta bem como a quantidade muito pequena de alguns componentes de óleo essencial.

Os hidrossóis não são altamente concentrados como os óleos essenciais, e podem ser utilizados puros.
Os óleos essenciais podem ser adicionados a uma hidrolato para efeitos sinérgicos.


Para os animais extremamente sensíveis, cães filhotes e gatos, os hidrolatos são boas alternativas para os óleos essenciais mais fortes. (Os gatos são especialmente sensíveis aos óleos essenciais, por isso é melhor usar hidrolatos em gatos.) 




Como posso usar óleos essenciais em meu pet?

A Aromaterapia em pets pode ser aplicada por via tópica (por meio de massagem), por inalação (difusor ou aromatizador pessoal), ou por via oral.

Aromatizador pessoal para coleiras da Laszlo

A aplicação tópica é a técnica mais comumente usada, e tem o maior benefício porque os óleos são aplicados diretamente na área necessária. Os óleos penetram na pele e são rapidamente absorvidos por minúsculos capilares que os transportam para a corrente sanguínea.

Os óleos essenciais podem ser aplicadas topicamente através de massagem, ou através sprays, e, claro, os óleos podem também ser adicionados aos shampoos, condicionadores, unguentos, pomadas, etc.
Lembre-se, os óleos têm de ser diluídos antes do uso. Óleos vegetais carreadores, tais como azeite, óleo de jojoba, óleo de amêndoa doce, óleo de coco... podem ser utilizados.

A Aplicação oral de óleos essenciais para animais, só deve ser feita sob a supervisão de um veterinário holístico.

Como os óleos são altamente concentradas e potentes, deve ser tomado extremo cuidado para evitar uma superdosagem. E, claro, alguns óleos essenciais não são adequados para a ingestão.
Por isso, é aconselhável limitar-se às duas primeiras técnicas (aplicação tópica e por inalação).

Cuidados maiores com gatos:

Gatos metabolizam e excretam as coisas de forma diferente de outros animais.
A razão por trás disso é o seu fígado. Ele não tem as enzimas necessárias para "quebrar" certos produtos químicos de forma tão eficaz como o nosso.

Quando o fígado (e corpo) não reconhece uma substância, como acontece com a maioria dos compostos sintéticos, ele imediatamente armazena em algum lugar até que possa descobrir o que fazer com ela.

Isto pode conduzir à toxicidade, tumores, doenças e desequilíbrios extremos do corpo.

Para os gatos, essa acumulação pode ser ao longo do tempo, ou pode ser tão rápida que leva à morte.
Por isso, tenha cautela!

Misturas de óleo parecem funcionar melhor em caninos. Os Óleos essenciais têm um efeito muito profundo em abrigo, salvamentos, e cães adotados. Eles ajudam o vínculo do cão com o proprietário após experiência traumática.

Cães e cavalos toleram melhor o uso dos óleos essenciais, do que outros animais. Os gatos e os pássaros já são bem mais sensíveis.

Os animais não podem nos dizer o que eles estão sentindo e são constantemente bombardeados com nossas escolhas de estilo de vida. Então, temos de aprender a reconhecer os sinais e sintomas de toxicidade em nossos animais!

Alguns sinais comuns de toxicidade:

• Mudança em seus hábitos de dormir ou comer;

• As alterações comportamentais, como letargia, falta de energia, ou não querer brincar;

• desequilíbrios digestivos, como vômitos, constipação ou diarréia;

• dificuldade em subir as escadas

Algumas precauções ao usar óleos essenciais em animais:
Verifique com um veterinário holístico antes de usar qualquer óleo essencial em cadelas e gatas gestantes. Em particular, não use óleos estimulantes (por exemplo, hortelã, alecrim, eucalipto).

Não use óleos em animais epilépticos. Alguns óleos, como o alecrim, pode desencadear convulsões (em seres humanos também).

Use menos quantidade de óleo diluído em cães de pequeno porte do que em cães de grande porte.

Use menos quantidade de óleo diluído em filhotes, animais idosos, entre aqueles cuja saúde está comprometida. Quando em dúvida, começar com hidrolatos.

Não use óleos perto dos olhos, diretamente sobre o focinho, ou em áreas genitais.

Observe sempre a resposta de seu animal ao sentir o cheiro do óleo em seu corpo. Os óleos essenciais devem ser utilizados com respeito, conhecimento e permissão dos animais de estimação.

Deve-se ter paciência para observar e entender a resposta do animal, e se ele demonstrar incômodo, é importante mudar ou evitar certos aromas.

Para gatos, é mais seguro usar hidrolatos.



Sugestões de uso:
(Fonte Laszlo Aromaterapia)

- Hortelã-pimenta, lavanda, sálvia esclaréia, capim limão: controle de pulgas.

- Tea tree, citronela: controle de carrapatos e pulgas em cães.

- Lavanda, pau rosa, bergamota: alivia ansiedade e hiperatividade, acalma.

- Laranja, mandarina, ylang ylang: reduz agressividade, torna o animal mais afetuoso, alegre.

- Vetiver, cedro, patchouli, priprioca: melhora a auto-estima do animal, tranquiliza.

- Gerânio, rosa: trabalha carências afetivas e tristezas, principalmente em perdas,  abandono.

- Cipreste, espruce: trabalham o desapego e tornam o animal mais independente.

Atenção: evitar alecrim, cravo e canela principalmente em cadelas/gatas prenhas.




Postar um comentário

  1. Nossaaaaaa, adoreeeeeiii!!!!!
    Acredita que HOJE eu ia perguntar sobre isso pra vc??????? Acordei hoje pensando nisso...Eu queria usar oe na minha Mel, mais não sabia como usar. Outro dia estávamos falando sobre o sabão para pet, lembra? E fiquei pensando sobre os Oes. Acho que seria bom para a Mel, porque por mais que eu dê carinho ela ainda dá sinais de carência. E as vezes ela age com muita agressividade, rosna por qualquer coisa, não aceita pessoas diferentes em casa, ela acha que todo mundo é uma ameaça, e fica rosnando, latindo...então quando tenho visitas, ela tem que ficar no quintal, não posso deixá-la dentro de casa, tenho medo dela avançar na pessoa. Mais ao mesmo tempo me sinto mal de deixá-la fora. Será que td isso é por conta de td que ela passou??? Lembra da história dela??? O que vc acha??? Qual Oe seria melhor prá ela? Vc sabe me dizer???
    Obrigada, Erika!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim Patiii!! Lembrei da história dela qdo tava fazendo o post!! Acredito que o de lavanda com gerânio ajude ela..o que vc acha?
      bjãooo

      Excluir
    2. Pensei exatamente nesses 2 rsrsr, mais como estuda aromaterapia, achei melhor esperar vc dizer rsrs...E até tenho aqui os de lavanda e gerânio, ;)
      E o tratamento tem que ser diário? Como eu faço??

      Excluir
    3. Pati, eu li que pode ser no difusor, que nem fazemos pra gente... deixa ela no ambiente uns 45 min com o difusor ligado... ou tem o difusor da coleira tbm.. aí coloca 1 gota.

      Excluir
    4. Certo, vou fazer com o difusor...vou começar agora mesmo, aproveitar que ela tá deitadinha na sala rsrs...Obrigada, Erika.
      Beijão

      Excluir
  2. Esse tópico veio a calhar, hoje cedo mesmo coloquei o óleo de tea tree no shampoo dos meus cães por que eles estão com muita coceira.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prescila, mas vc colocou qto? Não pode exagerar na dose, hein!! bjsss

      Excluir
  3. Legal essa matéria,ja pensei sobre isso,mais agora com essa materia esclareceu minhas duvidas,meu cachorrinho vai fazer em janeiro 1 ano que está comigo...meu pai ganhou ele,ja adulto,deve ter uns 3,4 anos...ele morre de medo de trovões e fogos,tem mt medo msm,fico ate c medo q ele passe mal....vo começar c o oleo d lavanda e vo vendo cm ele vai respondendo a isso...acredito q o de lavanda seja o mais indicado msm ne..por causa da ansiedade..e tem outra coisa,ele nao fica sozinho em casa,late o tempo todo...toda vez q saio tenho q deixar ele na casa da minha avó p ele nao ficar sozinho....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ju,
      Acho que o de lavanda é sempre bom... até pra gente mesmo! E no caso dele, tvz o gerânio junto tbm ajude...
      depois me conte o resultado...
      bjkssss

      Excluir
  4. Erikaaaaa, um Feliz Natal pra você e sua família!
    Aproveito para ver se você pode me ajudar já que o assunto é bicho, rs você conhece receitas naturais para combater pulgas? Estamos com uma infestação difícil de vencer aqui em casa e já tenho cães idosos, então tenho procurado alternativas mais saudáveis (em econômicas, claro) para tratá-los, estou usando extratos glicólicos no shampoo dos cães, o de aveia em especial, para hidratar a pele de alguns que são alérgicos às pulguinhas e tem sido muito bom, mas tá difícil combatê-las! Se puder ajudar, agradeço muito ;) abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi amoreee! Um ótimo Natal pra vc tbm !!
      Então... pelo que andei lendo, os OEs que podem ajudar com as pulgas, são o melaleuca e o citronela, e o óleo vegetal de Neem, que tbm pode colocar no shampoo deles. Se souber de algo mais, te falo, ok?
      bjãoo

      Excluir

Obrigada pela visita! Volte sempre!

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.

Entre para o nosso Clube!

 
Clube do cabelo e cia © 2013. All Rights Reserved. Powered by Blogger
Top